Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Marina da Silva e a noção de tempo

Jung Mo Sung *
Adital -

A possibilidade do lançamento da candidatura da senadora Marina da Silva para presidente na próxima eleição está agitando o cenário político brasileiro. Todos concordam que é a grande novidade do momento na corrida eleitoral porque quebra a bipolaridade PT-PSDB, Dilma-Serra. Outros vêem mais longe e apontam para o fato de que ela traz para a mesa principal da discussão política algo de fundamental para o futuro do país e da humanidade: a noção de desenvolvimento sustentável.

Está na moda hoje falar em "verde", ecologia e sustentabilidade. Como todas as palavras de moda, essas também acabaram se impondo sobre os discursos de pessoas - especialmente dos políticos - que estão mais interessados em acompanhar a "onda" do momento, em agradar o seu público, do que realmente modificar o seu modo de ver e agir.

Há também grupos e pessoas que radicalizam o discurso de "defesa da natureza" e são contrários ao primeiro termo da expressão: desenvolvimento. Para eles, a noção em si de desenvolvimento deveria ser abandonada porque estaria irremediavelmente comprometido com a visão industrial do século XIX-XX e com o antropocentrismo moderno que pretenderia dominar e explorar a natureza em função dos interesses humanos, e assim estaria em contradição frontal com a defesa do meio ambiente. Defendem uma economia que não busque nenhum tipo de crescimento ou desenvolvimento, mas que seja fundada somente na noção de sustentabilidade.

Entretanto, se olharmos a realidade social-ambiental, não a partir de uma visão geral e abstrata que considera o meio-ambiente e os seres humanos em totalidade, mas sim a partir de realidades dos pobres, podemos perceber que há muitas regiões em que o desenvolvimento econômico-social é fundamental para permitir que pessoas superem a situação de miséria ou de pobreza. É claro que esse desenvolvimento não pode ser entendido como um crescimento econômico que destrói o seu meio-ambiente e, com isso, as condições que permitem a reprodução da vida. Daí a importância de pensarmos a expressão como um todo: "desenvolvimento sustentável".

Há uma questão fundamental no "desenvolvimento sustentável" que não é muito discutida hoje, a noção de tempo. É mais comum debatermos a partir da noção do meio-ambiente, que já está presente, por exemplo, em Marx quando ele fala que o capitalismo, com a sua lógica de acumulação do capital, destrói a natureza e os trabalhadores, que são fonte da sua própria acumulação.

A noção de sustentabilidade pressupõe uma possível contradição entre o modo como as coisas funcionam hoje, no presente, e a situação projetada do futuro. Isto é, o fato de que o sistema econômico está funcionando bem - na perspectiva do sistema - não garante que estará no futuro. Isto é, o futuro pode ser pior do que o presente, porque o atual sistema não é sustentável a médio e longo prazo.

Essa idéia de que o futuro pode ser pior assusta (quase) todas as pessoas. Por isso, ideologias que prometem que o futuro está garantido (seja porque o progresso sempre caminha para frente, o mito do progresso, ou porque "Deus está conosco e não vai falhar" ou então porque "as energias do universo conspiram a favor da ‘vida’ e nos levará ao futuro pleno", etc.) sempre têm "ibope" alto. Enquanto as pessoas preferirem se esconder atrás dessas ideologias (seculares ou religiosas), a importância da proposta de um desenvolvimento sustentável não será entendido na sua profundidade. Ela poderá ser repetida até exaustão nos discursos ou debates, mas no fundo haverá nessas pessoas uma "certeza" íntima que no final tudo vai dar certo.

A possível candidatura da senadora Marina da Silva coloca na mesa da discussão político-cultural-religiosa duas mudanças profundas em relação à cultura moderna: a) o amor à vida que floresce e se expressa na natureza (onde estão incluídos os seres humanos); b) uma nova visão do tempo e de história, que não seja linear e nem pré-determinada, e inclua a possibilidade real de que o modo como vivemos o presente pode tornar inviável o nosso futuro. Isso exige também uma nova visão da vida humana e de Deus. Um ser humano que é realmente responsável pelo seu presente, seu próximo e o meio-ambiente, e futuro. E uma imagem de Deus que se revela no amor-solidário e que apela a essa solidariedade e responsabilidade frente ao próximo e ao meio-ambiente, mas que não garante nenhum resultado, muito menos um "final feliz" para a nossa história humana.

Mudanças profundas na cultura humana não são perceptíveis facilmente. Elas são resultado de muitas "ondas superficiais" que alteram aos poucos o movimento e a configuração das correntes mais profundas do inconsciente coletivo e da cultura. O impacto da possível candidatura da senadora revela sua chance e sua aceitação na sociedade. O que parece ser um sinal muito positivo de uma dessas mudanças profundas.

(Autor de "Se Deus existe, por que há pobreza?", Ed. Reflexão).

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails